Aquele celular antigo e os cabos que você nem sabe para que servem já têm um lugar correto para ir sem causar danos ao meio ambiente ou a saúde de plantas e animais

É quase impossível acompanhar o ritmo em que as novas tecnologias surgem – o celular que você comprou no meio do ano passado já está ultrapassado, sabia? –, mas é fato que hoje nós trocamos nossos aparelhos telefônicos, notebooks e até televisões com muito mais frequência que antigamente. E muitas vezes resta aquela dúvida: o que fazer com os produtos antigos?
Além da venda ou troca do dispositivo – que nem sempre é possível dadas as condições do aparelho –, outra opção é o descarte. Esse, por sua vez, deve ser feito de forma cuidadosa, pois o material eletrônico não pode ir para o lixo comum, devido às substâncias químicas que o compõe, como mercúrio, chumbo, arsênio e lítio, que podem tanto contaminar lençóis freáticos, quanto causar inúmeras doenças. Por isso, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente possui em sua sede um Ecoponto fixo para o descarte de lixo eletrônico.
Entre os aparelhos que podem ser descartados estão: monitores, impressoras, televisores, computadores, CPUs, celulares, telefones, fax, máquinas de xerox, aparelhos de DVD, videocassete, aparelhos de som, fios, cabos e conectores, placas e circuitos eletrônicos, processadores, transformadores, HDs, CDs e drivers. Não podem ser descartadas pilhas, baterias e lâmpadas. O Ecoponto já arrecadou mais de 40.510 kg de resíduos eletrônicos e funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, na Rua Cerqueira César, 1.988.

Por Mirela Dias

Foto divulgação

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA